quinta-feira, 11 de outubro de 2012

O papel do jovem no associativismo



Hoje e mais que nunca, os nossos jovens encontram-se cada vez mais desafectos à participação activa na vida pública. A verdade é que, a progressiva modernização dos meios tecnológicos levou a que todos nós ficássemos mais tempo no conforto do lar, do que em convívio com outras pessoas.
Com certeza que já todos nós ouvimos a expressão “garantir condições de vida dignas às gerações futuras”, no sentido em que devemos racionalizar as nossas acções no Planeta Terra, de forma a que os nossos filhos e netos possam habitar num mundo que reúna as condições de habitabilidade desejáveis. Com isto, o que se pretende dizer é que se não prepararmos os mais jovens para o processo de socialização, de reunir com o seu semelhante e comunicar, estaremos a formar um cidadão que terá como futuro o isolamento. De forma a contrariar esta opção, devemos incentivar cada vez mais os jovens a saírem do sofá, a serem criativos, a participar e a fazerem a diferença.
Relativamente ao Concelho de Estarreja, o nosso território proporciona condições únicas que fomentam a participação activa dos nossos jovens. De facto, os grupos voluntários de maior destaque no nosso município são os grupos de Carnaval, sejam as Escolas de Samba, sejam os Grupos Apeados. O espírito fomentado neste tipo de associações que reúnem centenas de pessoas, é sem dúvida alguma contagiante a toda a população. Além destes, podemos e devemos referir as bandas e escolas de música, que tanta história e respeito possuem, caso das bandas das freguesias de Pardilhó, Veiros, Salreu e Canelas. Além destas, os grupos de jovens mais ligados à Igreja desenvolvem igualmente inúmeras actividades nas freguesias em que estão presentes. E, fica ainda o exemplo das associações de carácter mais desportivo, presentes em todas as freguesias do Concelho de Estarreja. Estas últimas associações, proporcionam um enorme leque de modalidades a praticar, desde o futebol, futsal, andebol, canoagem, basquetebol, patinagem, natação, entre outras.
O acesso a todo este tipo de associações não está condicionado, por isso mesmo, qualquer interessado poderá ingressar nestes grupos. Tratam-se de espaços de socialização cívica, cultural e desportiva onde a construção do indivíduo é alimentada por experiências individuais e em grupo. Se queremos combater a escassa participação cívica e associativa dos jovens, devemos incentiva-los a participar cada vez mais nos grupos da nossa comunidade.
Ao estarmos inseridos numa associação, desenvolvemos competências e capacidades sociais, que nos irão facilitar a aquisição de conhecimentos em áreas como a organização, comunicação ou a argumentação.
Com tudo isto, a mensagem que se quer transmitir, é de que o facto de os jovens se juntarem e conviverem de forma saudável, conduz a uma boa cidadania, a pessoas mais bem formadas intelectualmente e com maior respeito pelo outro.


Jornal de Estarreja Abr-2012
Blog Jornal de Pardilhó Mar-2012
Jornal Ribeirinhas Mar-2012

Sem comentários:

Publicar um comentário