quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Soluções para a criação de emprego



O Instituto Nacional de Estatística (INE), publicou esta quarta-feira (13 Fevereiro), os dados mais recentes referentes à Taxa de Desemprego – 16,9%. Em 31 de Dezembro de 2012, eram 923,2 mil, os desempregados em Portugal. Os números aumentam de dia para dia, e as entidades responsáveis pela criação de condições ao surgimento de novos empregos nada têm feito nesse sentido.
Deixo aqui duas sugestões que me parecem as ideais para a diminuição da taxa de desemprego. Em primeiro lugar, o Governo português deveria diminuir a taxa de IRC cobrada às empresas privadas. Ao diminuir a taxa, o Governo deveria “obrigar” as empresas privadas a utilizar esse dinheiro para a criação de postos de trabalho nessas mesmas empresas.
Em segundo lugar, Portugal tem Municípios, Assembleia da República, Governo e Governos Regionais. A solução é muito simples, ora veja-se: se houvesse um corte de 500 euros na remuneração de todos 380 presidentes de câmara, respectivos vereadores (nº varia consoante o município), assessores de presidente e chefes de divisão (Municípios), dos 230 deputados e seus assessores, dos ministros e secretários de Estado, dos 47 deputados do Governo Regional da Madeira, dos 57 deputados, e um corte muito significativo nas remunerações dos grandes gestores da CP, Metro do Porto e Lisboa, TAP e Carris, todo esse dinheiro permitiria criar milhares de novos empregos no sector público e privado (primeira solução).
Vivemos tempos difíceis, perante tantas injustiças e falta de vontade do Governo em mudar a situação do país, o povo tem que revoltar-se a sério, não é fazer manifestações pacíficas enquanto os nossos políticos se riem. Tempos duros, exigem medidas drásticas.

Sem comentários:

Publicar um comentário